Material de Apoio

 Sobre a Gramática
 Morfologia
 Sintaxe
 Fonologia
 Semântica
 Estilística
 Redação

Pratique

 Exercícios Resolvidos
 Provas de Vestibular
 Provas On-line

Ajuda

 Dúvidas Frequentes
 Conjugador de Verbos
 Qual é o Gênero?
 Dicas de Português
 Comunidade
 Fórum de discussão
 Área dos Professores
 Laifis de Português

Entretenimento

 Jogos
 Maltratando a Língua
 Fala Popular
 Qual é a Expressão?
 Expr. Redundantes
 Pérolas Gramaticais
 Trava-Línguas
 Humor na Língua

Produtos/Serviços

 Shopping Líng. Portug.
 Videoaulas em DVD
 Softwares em CD

Diversos

 Portuguesinho
 Português na História
 Português no Mundo
 Formação da Líng. Port.
 Curiosidades
 Estrangeirismos
 Neologismos e Gírias
 Abreviaturas e Siglas
 Expressões Idiomáticas
 Origem das Expressões
 Reforma Ortográfica
 Glossário
 Notícias
 Artigos e Reportagens
 Indicação de Livros
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

Leitor digital de textos, o Kindle pode revolucionar hábito da leitura

Ivan Dias Marques | Redação CORREIO

A coluna dói e os braços também. Essa tortura de carregar um monte de livros para escola, faculdade ou para o trabalho pode estar com os dias contados. Desde o dia 19, os brasileiros já podem adquirir o Kindle, um e-reader fabricado pela livraria virtual americana Amazon, uma das maiores empresas na internet do planeta. Nele, é possível armazenar cerca de 1.500 publicações digitais que podem ser baixadas, cada uma, em menos de um minuto via conexão sem fio. O funcionamento do Kindle, que teve três milhões de unidades vendidas nos EUA só este ano, é simples. Uma vez comprado, o cliente já ganha a conexão direta com o site da Amazon, que possui cerca de 200 mil livros digitais, os e-books. Assim, na hora que quiser, seja em Salvador, Paris ou Tóquio, ele pode comprar um livro por cerca de US$ 9,99 (menos de R$ 20). A empresa envia o e-book através de uma conexão 3G (a mesma dos celulares mais modernos) e o comprador pode se deleitar em menos de um minuto.

Na realidade, o preço pela conexão sem fio já está incluso no valor da publicação digital. Além de livros, o Kindle também lê jornais e revistas virtuais e acessa a internet normalmente. A tela é diferente da do computador, com uma tecnologia chamada E ink, que faz a tinta ficar mais escura quando mais iluminada. Outra função bacana é não precisar mais buscar na memória em que parte do livro o autor escreveu determinada frase. O Kindle possui um mecanismo de busca em que é só digitar as palavras desejadas que ele indica as páginas onde elas se encontram. Além disso, nada de poluir páginas com anotações. Existe espaço exclusivo para elas.

Poréns

Mas nem tudo são flores e poesia. O preço do Kindle, vendido internacionalmente na segunda geração (existe uma terceira só para os americanos), chega a quase R$ 1 mil, depois de taxado pelos impostos de importação. Ainda existem poucos títulos em português no site. A maioria é na língua inglesa, o que limita muito o número de compradores nacionais. A visualização, por enquanto, é apenas em tons de cinza. A Amazon espera que só em dois anos o e-reader possa ter uma versão colorida. Apenas o jornal O Globo está disponível para compra virtual. A entrega do Kindle para o Brasil demora cerca de 20 dias. Mesmo com alguns poréns, ele pode colocar o futuro do livro físico em jogo.

Mercado de e-books está em crescimento na Amazon

Os leitores digitais, os e-readers, não são novidade. O que faz do Kindle o favorito para mudar as relações que temos com os livros é a conexão direta com a Amazon e ter a própria livraria por trás dele. De acordo com o americano Jeff Bezos, criador do aparelho e fundador da empresa virtual, 48% dos livros vendidos no site são lidos no Kindle. “Há alguns meses, essa participação era de 35%. O ritmo de crescimento é bastante rápido”, declarou à revista Veja.

O livro mais recente do escritor Dan Brown (de O código Da Vinci), chamado O último símbolo, vendeu mais exemplares digitais do que físicos. O preço do e-book era quase 30% menor que o da versão usual. “É o produto mais vendido entre todos os milhões de artigos que comercializamos no nosso site”, afirma Bezos sobre o Kindle. “É o nosso best-seller”.

Três das principais empresas de material didático americanas já fizeram acordo com a Amazon, o que vai possibilitar que e-books com esse tipo de conteúdo também sejam disponibilizados no site.

Mesmo causando burburinho, o Kindle é ainda a primeira pedra. Outras empresas como Sony, Samsung e Asus pretendem lançar aparelhos semelhantes no mercado. É a concorrência chegando. A tendência é que, como sempre ocorre, em pouco tempo a tecnologia avance e os produtos melhorem cada vez mais.

27/10/2009

Fonte:   http://correio24horas.globo.com/noticias/noticia.asp?codigo=39739&mdl=49

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato de Usuário | Anuncie | Fale conosco
Copyright © 2007-2017 Só Português. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.